Assista aos filmes...

Loading...

Provérbios 3:1-4

"Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Aos meus queridos alunos...



Estamos iniciando mais um ano letivo e espero que o ano de 2010 seja cheio de aprendizado, esperança, busca, realizações, livramentos e fé.Quero desejar a todos os meus alunos muito sucesso!


Quero que saibam que é um prazer passar mais um ano ao lado de vocês e conhecer novos alunos!Sintam-se abraçados!


Saibam que podem contar sempre comigo!


Beijos mil!!! :)
Gisele Guerra


sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

O que é Hiperatividade?

A hiperatividade, denominada na medicina de desordem do déficit de atenção, pode afetar crianças, adolescentes e até mesmo alguns adultos. Os sintomas variam de brandos a graves e podem incluir problemas de linguagem, memória e habilidades motoras.
A criança hiperativa tem pelo menos seis sintomas do grupo à esquerda ou seis sintomas do grupo à direita por mais de seis meses. Eles aparecem, no máximo, até os 7 anos

Grupo 1

. Não consegue enxergar detalhes ou comete erros por descuido nas tarefas escolares ou em outras atividades
. Tem dificuldade de manter a concentração em tarefas ou brincadeiras
. Parece não ouvir o que se diz a ele (a)
. Não consegue seguir uma instrução até o fim e deixa de completar trabalhos escolares ou tarefas domésticas (mas a recusa não decorre de comportamento desafiador ou da falta de compreensão das instruções)
. Dificuldades em organizar tarefas e atividades
. Evita ou reluta em iniciar tarefa que exige grande esforço mental
. Perde com frequência objetos de uso diário, como material escolar e brinquedos
. Distrai-se com facilidade por estímulos externos
. Esquece atividades cotidianas

Grupo 2

. Inquietação constante (remexe as mãos ou os pés ou se contorce no seu lugar)
. Sai do seu lugar na sala de aula ou em outras situações em que deve permanecer sentado
. Corre sem destino ou sobe em cima de móveis e objetos
. Dificuldade em se engajar em uma atividade recreativa com tranquilidade. Está sempre em movimento, age como se estivesse ligado a um "motorzinho"
. Fala o tempo todo
. Começa a responder a perguntas que ainda não foram completadas
. Tem dificuldade em esperar sua vez em jogos ou situações em grupo, interrompe a conversa de outras pessoas

Problemas que podem ser confundidas com hiperatividade
. Autismo
. Depressão infantil
. Ansiedade
. Hipertiroidismo
. Dislexia
. Transtornos de aprendizagem
. Deficiência auditiva
. Epilepsia
. Transtorno obsessivo-compulsivo
. Transtorno bipolar ou mania
. Inquietação típica da idade
. Problemas familiares

Fonte: DSM-4 (Manual Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais)
"A leitura é uma fonte inesgotável de prazer mas por incrível que pareça, a quase totalidade, não sente esta sede."
Carlos Drummond de Andrade

"Felicidade é ter o que fazer, ter algo que amar, e algo que esperar."
Aristóteles

"A pior forma de desigualdade é tentar fazer duas coisas diferentes iguais."
Aristóteles

"A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las."
Aristóteles

"Não é fácil ter paciência diante dos que têm excesso de paciência."
Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Qual a verdadeira melhor conduta de um professor?

Vivemos hoje rodeados de pessoas que, egoístas, procuram sempre seus próprios interesses, em uma nação que a aparência da futura possibilidade de ser "grande", abafa a realidade de ser tão "pequena".A eterna e incansável busca da momentânea realização, muitas vezes agride os que estão a nossa volta e nos obriga a mascarar verdades doídas tornando-as em mentiras aceitáveis.Padronizar conduta é fingir não ver a hipocrisia social e estimular divisões de profissionais pensantes, questionadores, donos de convicções próprias.
É muito questionado hoje a afetividade professor e aluno, discutido a necessidade da afetividade como presença importante do desenvolvimento da aprendizagem, porém, não nos é esclarecido claramente como deve ser o tratamento afetivo e os seus limites.
Tratar o aluno com respeito, evitar acepção de pessoas e dialogar com ele fora do horário de aula não necessariamente retrata ou tão pouco afirma afetividade, são pré-requisitos para o educador, mas não caracteriza afetividade.
Para existência da afetividade é preciso sentimento.O afeto nada mais é do que a expressão do querer bem, na demostração da preocupação pela importância de outrem.
Alguns profissionais reprovam a conduta de uma professora abraçar ou tocar carinhosamente em seus alunos, justificam-se dizendo que é necessário ter ética, também não pode existir diálogos extra sala nem tão pouco o aluno ter o conhecimento de algo aparentemente desnecessário da vida do professor.
Defendo que a expressão afetiva não somente é caracterizada no toque físico, mas nas atitudes diárias que expressam também o sentimento.É mais do que o óbvio ter um bom senso para a utilização do toque físico!É preciso ter conhecimento das fases humanas para saber até onde essa ferramenta de expressão da afetividade pode ser utilizada.
A linguagem individualizada de encorajamento também é grande ferramenta para demonstrar afeto.O que não podemos como formadores de opinião é "amarrar" ou "receitar" a melhor conduta.Achismos de educadores conceituados não são regras, são opiniões.
Certo dia participei de uma palestra sobre educação, o conhecido palestrante abominou professores que contam ou compartilham algo de suas vidas para alunos, condenou a atitude como falta de ética profissional.Respeito, porém peço a chance de discordar.O professor precisa tornar comum seu conhecimento adquirido, certificando-se que utilizou bons recursos facilitadores e conseguiu atingir o processo de aprendizagem.Mas o educador precisa mais do que ser mensageiro, faz-se necessário ser professor, estimular, exemplificar, ampliar o espaço para críticas,por meio de assuntos transversais podemos conseguir o desejado.